Notícias

Metrologia verifica medidor de leitura reparado em poste que foi derrubado

17/12/2018 - Cejane Borges / Governo do Tocantins

No Tocantins, cerca de 400 postes foram derrubados, em sua grande maioria por acidentes de trânsito. Alguns deles contam com leitores de medição de velocidade e, com a queda ou abalo, necessitam ser trocados, calibrados e regulados para o uso normal.

Diante desse cenário, a Agência de Metrologia, Avaliação da Conformidade, Inovação e Tecnologia do Estado do Tocantins (AEM-TO) realiza a verificação pós-reparo em Palmas, em um medidor de leitura instalado em um poste na capital que foi derrubado. O poste que caiu fica na TO-050, km 2,5, na altura do Sest/Senat e a ação fiscalizatória será às 9hs.

“Com a queda do poste, é necessário calibrar novamente o medidor e fazer a verificação do funcionamento do equipamento”, informa o diretor técnico da AEM, Jailes Oliveira de Almeida.

Trânsito Seguro

De acordo com o Código Brasileiro de Trânsito (CTB) é necessário respeitar os limites de velocidades estabelecidos nas vias e rodovias.

As velocidades permitidas  são calculadas com base em diversos fatores, dentre eles a presença ou não de pedestres, a proximidade com áreas escolares ou hospitais, as curvas, declives e aclives que têm relação direta com a visibilidade e a segurança de tráfego na via.

Para a presidente da AEM, Débora Batista Almeida Vasconcelos Miola, as barreiras eletrônicas são mais que instrumentos medidores, são mecanismos de educação para o trânsito que mantém o motorista atento aos limites da via. “O perfeito funcionamento das barreiras eletrônicas é um item de segurança para quem dirige, pois alerta a necessidade de redução de velocidade e mantém o motorista mais cuidadoso em todo o trajeto, considerando a segurança do trânsito e dos motoristas, passageiros, pedestres e ciclistas”, destaca a presidente.

Acidentes com postes de energia elétrica e de medição de velocidade

Os postes medidores de velocidade não são os mesmos de energia elétrica, pois são exclusivos para a instalação de equipamentos de medição de velocidade. A concessionária da via arca com o custo de mais de R$ 500,00 para refazer a medição e calibragem do equipamento.

No caso da energia elétrica, de acordo com a Energisa, nos últimos três anos, em média foram derrubados 430 postes. Em ambos os casos, os acidentes causam transtornos e custos financeiros.

Processo de Verificação

Para fazer a vistoria dos radares, um veículo oficial da AEM passa pelo medidor de velocidade, em média cinco vezes, com um aparelho que é calibrado pelo Inmetro e que ao passar pela barreira eletrônica, compara a velocidade fornecida pelo radar com a do veículo. De acordo com os dados encontrados na vistoria, com base nessa equiparação, o radar pode ser aprovado ou reprovado.

Quando ocorre a reprovação dos medidores de velocidade, eles não podem ser utilizados até que a empresa responsável realize as adequações necessárias. Posteriormente, é necessária nova vistoria para identificar a correção do erro e se o radar está dentro dos parâmetros de aprovação.